RURAL
ABPA: Francisco Turra faz um balanço dos 12 anos na presidência
   
Gestão foi marcada pela abertura de novos mercados, aumentando o volume e a receita com as exportações

Por Assessoria de imprensa
17/08/2020 16h04

Francisco Turra presidiu por 12 anos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). E, quarta-feira (19), passa o cargo para o atual diretor-executivo Ricardo Santin. O ex-ministro da Agricultura assumiu a instituição quando ainda se chamava Associação Brasileira de Exportadores de Frangos (ABEF) e contava com 23 sócios – hoje são 140, sendo a maior entidade do setor.

Desde 2008, Turra é um dos grandes responsáveis pela transformação e fortalecimento da imagem da avicultura e da suinocultura brasileira no exterior: garantiu uma fatia importante do mercado asiático e cotas de exportação para a União Europeia. Outro grande marco na trajetória de Turra frente à ABPA foi o gerenciamento de crises, como a atual informação de que o coronavírus teria sido encontrado embalagens de carne de frango exportado para o município de Shenzhen, na China, e a Operação Carne Fraca em 2017.

Em 12 anos, foram registrados mais de US$ 1,2 bilhão em negócios em mais de 100 ações internacionais. A receita com as vendas de carne de frango para o exterior cresceram quase 40% e as de carne suína tiveram uma alta próxima a 30% no período. Números que reforçam o legado que o ex-ministro deixa para o agronegócio brasileiro. Confira a seguir entrevista realizada com Francisco Turra:

Quais foram as maiores conquistas da ABPA nestes 12 anos?

A primeira conquista foi a integração dos segmentos de aves e suínos, fundamental para fortalecermos nossa imagem nos mercados nacional e internacional. Do ponto de vista institucional, tivemos avanços significativos. Passamos de 23 associados, lá em 2008, para 140 hoje, dos mais variados perfis. Criamos o Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (SIAVS) – o maior evento político, técnico e comercial dos setores no Brasil – e o ABPA Data, um sistema inédito de inteligência competitiva exclusivo para associados, com um vasto banco de informações composto por mais de 2,5 milhões de dados. Fizemos uma mudança no sistema para ter acesso às cotas de vendas da União Europeia e tivemos ainda a desoneração da folha de aves e suínos. Abrimos de 15 novos mercados, entre eles China, Estados Unidos, México, Índia, Paquistão, Coreia do Sul, Japão, Mongólia, Moldávia, Mianmar, Vietnã, com as respectivas habilitações de plantas brasileiras. Os novos destinos permitiram um aumento nas vendas para fora do país: saímos de 3,2 milhões de toneladas de carne de frango, em 2008, para 4,2 milhões de toneladas exportadas, em 2019, e de 607 mil toneladas de suína para 750 mil toneladas no ano passado. O mesmo cenário pode ser observado em relação à produção. Saltamos de 10 milhões de toneladas de frango, em 2007, para 13,1 milhões, no ano passado. Já de suínos passamos de 2,9 milhões de toneladas para 4 milhões de toneladas. 

O senhor elencou a abertura de mercados como uma das conquistas da ABPA. Observamos há um tempo a entrada muito forte da Ásia, principalmente da China, no Brasil. Quais os motivos? 

Primeiro, a carne brasileira é de altíssima qualidade. Esse é um dos principais motivos pelos quais o produto daqui chama tanto a atenção do mundo. Por outro lado, a lacuna deixada pela Peste Suína Africana (PSA) na produção dos países asiáticos e no trade global vem ditando o comportamento das exportações brasileiras e dos demais exportadores internacionais de aves e de suínos. Esse fator ampliou substancialmente as exportações para a Ásia. A China, para se ter uma ideia, importa 17% do nosso volume da carne de frango e 49% de suína. É disparado o principal destino da nossa produção. Posso garantir: o Brasil reúne todas as condições para se tornar ainda mais competitivo neste mercado, sobretudo diante da necessidade cada vez maior de segurança alimentar.

 

Como a pandemia afetou os planos dos setores para 2020? E quais as lições que deixa?

Os frigoríficos possuem ambientes de trabalho controlados e com normas rígidas, mesmo sem pandemia. O uso de equipamentos de proteção individual e os protocolos sanitários são seguidos à risca. Já faz parte da rotina o uso de uniformes, máscaras e luvas. O fato é que a Covid-19 exigiu que ampliássemos ainda mais os cuidados com a proteção e a saúde dos colaboradores. Por isso, antes mesmo da determinação da quarentena em diversos estados do país, em março, a ABPA e suas empresas associadas já haviam implementado todas as medidas de controle ao coronavírus – que foram, ao longo dos meses, se aperfeiçoando. A primeira, com certeza, o afastamento de todos os trabalhadores identificados como grupo de risco. A ABPA, junto às agroindústrias, também estabeleceu protocolos setoriais validados cientificamente pelo Hospital Albert Einstein. O documento tem mais de 250 páginas. Foi adicionada uma série de medidas para proteger os colaboradores, como, por exemplo, os indispensáveis equipamentos buconasal faceshield. Os cuidados também contemplam níveis de distanciamento determinados pela Portaria Interministerial n° 19 e medidas contra aglomerações. E é preciso destacar que foram intensificadas as ações de vigilância ativa, a rotina de higienização de todos os ambientes dentro e nos arredores dos frigoríficos e o monitoramento da saúde de trabalhadores. Ainda assim, com todo esse protocolo rígido, estamos sujeitos a situações como a que aconteceu após as notícias desencontradas de que o novo coronavírus foi encontrado em embalagens de frango brasileiros exportados para cidade de Shenzhen, na China. Exige um esforço diplomático porque, como falamos, a China é nosso principal comprador. E uma notícias dessas, em meio à pandemia, pode levar a uma crise sem precedentes. Precisamos estar vigilantes. Garanto: nos preparamos! Graças ao empenho da ABPA, das entidades estaduais, das empresas e do Governo, seguimos produzindo em patamares próximos ao que era inicialmente previsto. Com planejamento e iniciativa, construímos rapidamente estratégias que mantiveram o abastecimento e ajudaram a preservar a saúde dos colaboradores.

Quais os principais desafios do setor de proteína animal para os próximos anos?

Se antes era altamente complexo operar em um mercado tão competitivo quanto o setor de proteína animal, esse contexto ficou ainda menos previsível com a ocorrência da pandemia. Em todo o mundo, travas para o comércio internacional, paralisação de atividades e imposição de barreiras para a circulação de pessoas travaram o sistema econômico, que precisou se reformatar. Apesar da demanda por alimentos seguir firme, o modo de consumo foi impactado. Vimos nos Estados Unidos, por exemplo, a redução da produção de processados e a inclusão de novos modelos de consumo fora de casa - o quick service restaurant. Na União Europeia, a produção de alimentos se manteve, mas a redução dos níveis de consumo impactou no excedente de produção sobre a demanda.  Enquanto isso, nos Estados Unidos, as plantas foram paralisadas. No Brasil, embora menos impactado, o mercado interno também encontrou entraves. Custos de produção elevados (especialmente pelo “Custo Covid”, que demandou milhões em investimentos no sistema produtivo para a proteção dos colaboradores) foram compensados pela alta significativa nas exportações – que, como falamos anteriormente, deverá encerrar o ano em alta. Mas, apesar de toda a complexidade e impactos, a pandemia não foi o maior fator de influência sobre o contexto internacional das proteínas. Foi a Ásia, especialmente a China, quem ditou o desenho do comportamento produtivo. A perpetuação dos impactos causados pela Peste Suína Africana no rebanho suíno asiático se sobrepõe, em muitas vezes, ao total de exportações de carne suína pelo mundo anualmente. Isto, somado a outros pontos, como: a alteração na dinâmica de negócios das importações de aves por conta da situação no Oriente Médio, o protecionismo da África do Sul (com elevação de tarifas) e a volatilidade cambial. Em meio a todos estes fatores, a carne de frango ainda será a mais competitiva – pelo menos no mercado interno, frente à alta de preços, em especial, da carne vermelha. Como produtores e exportadores, nossa atenção especial estará em um ponto específico: a manutenção da confiança dos consumidores. A pandemia trouxe novos hábitos e uma visão ainda mais crítica sobre a importância da inocuidade dos produtos. O cuidado com a saúde é, como nunca, a pauta principal. Sabemos dos atributos e do elevado padrão que empregamos. Demonstrar isto ao consumidores, entretanto, será nosso maior desafio. 

Por que decidiu deixar a presidência?

Essa era uma decisão que eu havia tomado há algum tempo e agora se concretiza. Estou fora de casa há 20 anos – oito em Brasília e 12 em São Paulo, presidindo a Associação dos Produtores e Exportadores de Frangos, a União Brasileira de Avicultura e, mais recentemente, a Associação Brasileira de Proteína Animal. Minha vida se dividia entre Porto Alegre, Marau, o centro do país e as viagens pelo mundo afora. A saída deveria ter ocorrido ainda no primeiro semestre, mas, com a pandemia da Covid-19, optamos por adiar a transição. A prorrogação da gestão por quase cinco meses foi fundamental para estabelecermos protocolos sanitários, de saúde e de higiene, orientarmos as empresas associadas e articularmos ações com os governos federal e estaduais. 

E o que vem pela frente?

Vou liderar uma nova iniciativa: Turra – Consultoria em Agronegócio. Paralelamente, seguirei na ABPA, mas atuando de outra forma. Farei parte do Conselho Consultivo e apoiarei institucionalmente o novo presidente da associação, Ricardo Santin. Com menos intensidade, mas com a mesma paixão, continuarei lutando por essa atividade que transforma a vida de tantas famílias e orgulha o nosso país. Como disse o Apóstolo Paulo, em uma de suas passagens mais emblemáticas: "Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé". É com esse sentimento que me despeço dessa missão tão nobre confiada a mim.

   

  

Comentar comment0 comentário
menu
menu